Nomades Digitais o modelo de trabalho do futuro

Nômades Digitais: o modelo de trabalho do futuro

Já ouviu falar em nômades digitais? Esse não é um conceito novo, mas após as mudanças profundas que a pandemia trouxe ao mercado de trabalho, vai se tornar cada vez mais comum ouvir falar sobre esses profissionais.

Afinal, o que é nômade digital? Um nômade digital é um profissional cujo trabalho pode ser 100% executado remotamente e que, portanto, não requer idas a um escritório físico. Dessa maneira, esse profissional pode trabalhar de onde quiser e usa essa facilidade para viajar para diversos lugares enquanto trabalha.

O nômade digital pode trabalhar para uma empresa (como funcionário ou prestador de serviço) ou pode trabalhar para diversas empresas, atuando como freelancer. O modelo de trabalho freelancer ainda é o mais empregado, embora o número de empresas que querem nômades digitais em suas equipes não para de crescer.

Como funciona a rotina dos nômades digitais? O que é preciso para se tornar um nômade digital? Discutiremos isso a partir de agora!

Nômades Digitais: de onde vem esse conceito?

O conceito de nômade digital (digital nomad) aparece pela primeira vez no livro de mesmo nome, Digital Nomad, de Tsugio Makimoto e David Manners, lançado em 1997. Na época, mais de 20 anos atrás, os autores já discutiam como o avanço da tecnologia possibilitaria que boa parte dos trabalhadores executassem suas tarefas de qualquer lugar, usando apenas dispositivos eletrônicos.

Os nômades digitais são uma realidade há alguns anos. Diversas profissões, especialmente aquelas ligadas à tecnologia, já possibilitam o nomadismo digital. O curioso nessa história é que a pandemia de Covid-19 causou uma aceleração sem precedentes do nomadismo digital e percebeu-se que uma parte muito considerável do mercado pode sim adaptar-se a esse estilo de trabalho.

É claro que, pelo menos por hora, não é recomendável exercer o nomadismo digital ao pé da letra. As restrições de locomoção impostas pelo vírus ainda impedem que o boom do nomadismo digital seja realmente percebido. Mas uma coisa é fato: quando essa fase de emergência sanitária passar, teremos um mercado completamente transformado.

👉 Muitos profissionais – especialmente os mais jovens –  adaptaram-se tão bem ao regime de trabalho remoto que não se veem mais presos a um escritório e ao antigo regime de trabalho. As empresas, quer gostem quer não, precisarão se adaptar ao novo mercado e aprender a tirar proveito disso, diversificando seu quadro de funcionários com equipes de todos os cantos.

Nômades digitais podem trabalhar de qualquer canto do mundo, pois suas profissões não requerem presença física para executar o trabalho.
Nômades digitais podem trabalhar de qualquer canto do mundo, pois suas profissões não requerem presença física para executar o trabalho.

Como é a rotina dos nômades digitais?

Em 2018, a consultoria And Co divulgou a pesquisa Remote Work & Digital Nomads que analisou o comportamento de nômades digitais e freelancers que trabalhavam remotamente. O estudo descobriu que 73% dos nômades digitais estavam na estrada há no máximo quatro anos, ou seja, desde 2014. 

Esse é o primeiro estudo global com nômades digitais e o fato de ter sido realizado antes da pandemia nos dá alguns insights interessantes:

  • O movimento de nomadismo digital, embora tenha sido descrito há mais de duas décadas, só começou a ganhar força recentemente. 
  • 18% dos nômades digitais entrevistados ganhavam mais de USD 100 mil por ano, parcela muito maior do que a do mercado tradicional. Só para se ter uma ideia, a parcela de trabalhadores brasileiros nessa faixa salarial é de menos de 1% (dados do IBGE).
  • Engenheiros de dados e profissionais ligados à tecnologia correspondem a boa parte dos nômades digitais com elevados salários. Fotógrafos, profissionais de design e criadores de conteúdo também são profissionais que estão, cada vez mais, aderindo a esse modelo de trabalho.
  • 57% dos nômades digitais entrevistados vieram dos Estados Unidos, país onde o movimento é mais desenvolvido.
  • Problemas com infraestrutura (internet, equipamentos, energia) e problemas de comunicação com a equipe são apontados como as maiores dificuldades para trabalhar como nômades digitais de maneira satisfatória. Ausência de endereço fixo e solidão também podem ser problemas que devem ser considerados.

De fato, para que o nomadismo digital funcione, algumas regras do velho mercado de trabalho precisam ser revistas. Foco na produção e na entrega precisa ser o centro das atenções, e não mais o foco em cumprir carga horária pré-determinada. Flexibilidade é fundamental para que esse tipo de trabalho funcione tanto para a empresa quanto para o nômade digital.

Cabe ao nômade digital ter disciplina para cumprir com suas entregas e para manter sua equipe sempre informada. Comunicação é a chave do sucesso nesse modelo de trabalho.

Como ser nômade digital? Primeiro é preciso ter uma profissão (ou migrar para uma) que te possa ser realizada de maneira 100% remota. Para quem sonha em ser um nômade digital que roda o mundo, conhecimentos em outras línguas também é muito importante. Inglês é essencial.

💡 Dica de Leitura: o empresário Tim Ferris (ou Timothy Ferris) é considerado um dos maiores nomes globais em nomadismo digital. Ele é autor do best-seller Trabalhe 4 horas por semana, onde discute como é possível ser produtivo sendo nômade digital sem cargas excessivas de trabalho.

Profissionais de tecnologia e de criatividade, como fotógrafos, são os maiores adeptos ao nomadismo digital. Apesar disso, profissionais de diversas outras áreas podem ser nômades digitais.
Profissionais de tecnologia e de criatividade, como fotógrafos, são os maiores adeptos ao nomadismo digital. Apesar disso, profissionais de diversas outras áreas podem ser nômades digitais.

Quais as vantagens de ser um nômade digital?

Para as empresas, incentivar o nomadismo digital significa ter em seu quadro de colaboradores pessoas de todos os cantos do mundo, o que agrega experiências variadas. Também significa menos preocupação com uma estrutura física empresarial, o que diminui os gastos com isso. 

Para os nômades digitais, esse modelo de trabalho é interessante por causa da flexibilidade, a possibilidade de trabalhar de qualquer lugar e de estar em um escritório diferente a cada vez. O mundo passa a ser seu endereço.

Para aqueles que não querem fazer parte de apenas uma empresa, esse modelo de trabalho permite trabalhar com diversas organizações, por meio de projetos freelancers.

Além disso, nômades digitais podem trabalhar para empresas de qualquer canto do mundo (desde que saibam a língua) e costumam ganhar em dólares. Os salários, conforme mostrado na pesquisa acima, também são acima da média.

Por fim, os nômades digitais são profissionais cada vez mais procurados por grandes empresas, justamente por essa mudança de mentalidade empresarial que favorece os cidadãos do mundo e incentiva a independência dos colaboradores.

E você, já parou para pensar se a profissão que escolheu te permite ser um nômade digital? Em caso positivo, essa pode ser uma alternativa interessante para se pensar. O mundo é cheio de possibilidades!

Leia também: USP abre mais de 570 vagas para bolsas de pós-graduação

Deixe uma resposta