13 Livros de romance LGBT que você precisa conhecer

13 Livros de romance LGBT que você precisa conhecer

Quem foi uma criança ou um jovem LGBT entre os anos 90 e começo dos anos 2000 sabia que livros de romance LGBT eram coisa rara, assim como filmes e séries com essa temática também não eram muito comuns.

Felizmente o tempo passa e as coisas mudam. Nunca se falou tanto sobre aceitação da própria sexualidade e luta contra preconceitos como se fala hoje em dia. E isso, é claro, se reflete na arte, na literatura e no audiovisual.

A seguir, selecionamos 13 livros protagonizados por jovens LGBT que você precisa conhecer. Mais do que simples romances, esses livros podem fazer com que os jovens LGBT de hoje cresçam com referências e representatividade – coisa que vem sendo batalhada há décadas. Então sente em um lugar confortável, pegue um cafezinho e boa leitura!

13 Livros de romance LGBT para você conhecer

Uma das maravilhas do mundo tecnológico é que hoje qualquer autor pode publicar um livro. Ele não precisa mais ficar restrito ao filtro das editoras. Em parte por causa disso e em parte por causa da evolução de pensamento da sociedade quanto ao respeito à orientação sexual dos outros, fato é que nunca tivemos tantos livros de romance LGBt quanto agora!

Aliás, não só romance. Biografias, grandes reportagens, peças de teatro, crônicas… há histórias LGBT em diferentes gêneros literários. Por hora, vamos focar apenas em romances. Afinal, quem não gosta de um bom romance, não é mesmo?

Um Milhão de Finais Felizes (Vitor Martins): nada melhor do que abrir a lista com um romance LGBT nacional. Um Milhão de Finais felizes faz jus ao título: temos final feliz, personagens carismáticos e questões importantes como a saída do armário no começo da vida adulta e a luta por aceitação. 

“Jonas não sabe muito bem o que fazer da vida. Entre suas leituras e ideias para livros anotadas em um caderninho de bolso, ele precisa dar conta de seus turnos no Rocket Café e ainda lidar com o conservadorismo de seus pais. Mas é quando conhece Arthur, um belo garoto de barba ruiva, que Jonas passa a questionar por quanto tempo conseguirá viver sob as expectativas de seus pais, fingindo ser uma pessoa diferente de quem é de verdade”.

Um Milhão de Finais Felizes é um romance LGBT nacional.
Um Milhão de Finais Felizes é um romance gay nacional.

Com amor, Simon (Becky Albertalli): best-seller, esse livro divertido e emocionante já virou filme e uma série de tv. É impossível não torcer por Simon e sua busca pela felicidade e pela autoaceitação.

“Simon Spier tem dezesseis anos e é gay, mas não conversa sobre isso com ninguém. Ele não vê problemas em sua orientação sexual, mas rejeita a ideia de ter que ficar dando explicação para as pessoas — afinal, por que só os gays têm que se apresentar ao mundo? Enquanto troca e-mails com um garoto misterioso que se identifica como Blue, Simon vai ter que enfrentar, além de suas dúvidas e inseguranças, uma chantagem inesperada”.

Conectadas (Clara Alves): um dos livros de romance lésbico mais comentados do ano, Conectadas é fofo e inspirador. O melhor de tudo: é um romance nacional!

“Raíssa e Ayla se conheceram jogando Feéricos, um dos games mais populares do momento, e não se desgrudaram mais ― pelo menos virtualmente. Só tem um “pequeno” problema: Raíssa joga com um avatar masculino, então Ayla não sabe que está conversando com outra menina. Quanto mais as duas se envolvem, mais culpa Raíssa sente. Só que ela não está pronta para se assumir ― muito menos para perder a garota que ama. Então só vai levando a mentira adiante… Afinal, qual é a chance de as duas se conhecerem pessoalmente, morando em cidades diferentes? Bem alta, já que foi anunciada a primeira feira de Feéricos em São Paulo, o evento perfeito para esse encontro acontecer”.

Conectadas é um romance lésbico nacional.
Conectadas é um romance lésbico nacional.

Os dois mundos de Astrid Jones (A. S. King): crescer homossexual em uma cidade de interior não é nada fácil. Parece que as angústias e a sensação de prisão se intensificam. Neste livro, a jovem Astrid precisa lidar com a descoberta da homossexualidade ao mesmo tempo em que se questiona como sobreviver e ser feliz em um lugar de mentes fechadas.

“Astrid Jones tem 17 anos e vive em uma pequena cidade. Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais”.

Tipo Uma História de Amor (Abdi Nazemian): um dos livros de romance LGBT mais comentados de 2020, Tipo Uma História de Amor é um romance LGBT sobre como era se descobrir um adolscente gay em pleno auge da pandemia de AIDS nos Estados Unidos. Emocionante, divertido e historicamente importante, o livro é aclamado por todo mundo que o lê.

“Em 1989, o jovem iraniano Reza se muda para Nova York com a mãe para morar com seu padrasto e o filho dele. Apesar de nunca ter contado para ninguém, Reza sabe há muito tempo que é gay. Porém, tudo que ele vê na televisão sobre a pandemia da aids e a comunidade LGBT reforça seu medo de que sua sexualidade está ligada a algo terrível. Então, o rapaz decide esconder sua verdade para se proteger das possíveis críticas da sua cultura e da sua mãe”.

Emocionante, Tipo Uma História de Amor mescla romance e informação sobre a época da pandemia de AIDS.
Emocionante, Tipo Uma História de Amor mescla romance e informação sobre a época da pandemia de AIDS.

The Prom: A festa de formatura (Saundra Mitchell, Chad Beguelin, Bob Martin e Matthew Sklar): baseado em uma peça da Broadway, esse livro fofo sobre o desabrochar da sexualidade está prestes a ganhar uma adaptação pela Netflix – com grande elenco que inclui Meryl Streep.

“Emma Nolan é uma talentosa musicista que tem apenas um sonho antes de se formar no ensino médio: dançar com sua namorada na festa de formatura. Mas o que parece um pedido simples é praticamente impossível na cidadezinha onde mora. Quando a notícia de que Emma planeja levar uma garota para a formatura se espalha, a cidade entra em polvorosa. É aí que aparecem Barry Glickman e Dee Dee Allen, duas estrelas decadentes da Broadway que assistem a um dos vídeos de Emma no YouTube e decidem transformar o desabafo da garota em uma causa”.

E se fosse a gente? (Becky Albertalli e Adam Silvera): coescrito pela autora de Com Amor, Simon, E se fosse a gente? conta a fofa história de Arthur e sua busca por um garoto que ele viu uma vez mas já se encantou profundamente.

“De férias em Nova York, Arthur está determinado a viver uma aventura digna de um musical da Broadway antes de voltar para casa. Já Ben acabou de terminar seu primeiro relacionamento, e tudo o que mais quer é se livrar da caixa com todas as lembranças do ex-namorado. Quando eles se conhecem em uma agência dos correios, parece que o universo está mandando um recado claro. Bem, talvez não tão claro assim, já que os dois acabam tomando rumos diferentes sem ao menos saberem o nome um do outro”.

'E se fosse a gente?' é um livro gay que conta a fofa história de Arthur e sua busca por um garoto que ele só viu uma vez.
‘E se fosse a gente?’ conta a fofa história de Arthur e sua busca por um garoto que ele só viu uma vez.

One Man Guy (Michael Barakiva):esse é um livro de romance LGBT com todas as fórmulas daquelas comédias românticas de ensino médio americanas, só que com dois garotos.

“Ethan é tudo o que Alek gostaria de ser: confiante, livre e irreverente. Apesar de estudarem na mesma escola, os dois garotos pertencem a mundos diferentes. Enquanto Ethan é descolado e tem vários amigos, Alek tem apenas uma, Becky. One Man Guy é uma história romântica, comovente e engraçada sobre o que acontece quando as pessoas saem de suas zonas de conforto e ajudam o outro a ver o mundo (e a si mesmo) como nunca viram antes”.

Garoto Encontra Garoto (David Levithan): um dos pontos principais desse livro de romance LGBT é a questão da autoaceitação e da aceitação por parte da família. Quem é LGBt sabe que essa é uma das questões mais delicadas, especialmente quando se é adolescente.

“Paul conhece Noah, o cara dos seus sonhos, mas estraga tudo de forma espetacular. E agora precisa vencer alguns desafios antes de reconquistá-lo: ajudar seu melhor amigo a lidar com os pais ultrarreligiosos que desaprovam sua orientação sexual, lidar com o fato de a sua melhor amiga estar namorando o maior babaca da escola e, enfim, acreditar no amor o bastante para recuperar Noah”.

Leah Fora de Sintonia (Becky Albertalli): mais um livro da autora de ‘Com Amor, Simon’, Leah Fora de Sintonia é um romance que se passa no mesmo espaço temporal que a história de Simon. Aliás, os dois são até amigos!

“Leah odeia demonstrações públicas de afeto. Odeia clichês adolescentes. Odeia quem odeia Harry Potter. Odeia o novo namorado da mãe. Odeia pessoas fofas e felizes. Ela odeia muitas coisas e não tem o menor problema em expor suas opiniões. Mas, ultimamente, ela tem se sentido estranha, como se algo em sua vida estivesse fora de sintonia. No último ano do colégio, em poucas semanas vai ter que se despedir dos amigos, da mãe, da banda em que toca bateria, de tudo que conhece. E, para completar, seus amigos não fazem ideia de que ela pode estar apaixonada por alguém que até então odiava, uma garota que não sai de sua cabeça”.

Leah Fora de Sintonia é um romance lésbico que se passa no mesmo espaço temporal que a história de Com Amor, Simon.
Leah Fora de Sintonia é um romance lésbico que se passa no mesmo espaço temporal que a história de Com Amor, Simon.

Me Chame Pelo Seu Nome (André Aciman): esse livro dispensa apresentações. Uma das mais arrebatadoras histórias de amor dos últimos tempos, Me Chame Pelo Seu Nome ganhou uma adaptação aclamada para os cinemas. O filme que conta a história de amor de Elio e Oliver conquistou vários prêmios, inclusive o Oscar de Melhor Roteiro. O livro é muito parecido com o filme, mas tem uma riqueza de detalhes maior, especialmente no foco das emoções de Elio. Além disso, a parte final conta a vida dos personagens por mais de duas décadas depois de onde o filme parou.

“A casa onde Elio passa os verões é um verdadeiro paraíso na costa italiana. Filho de um importante professor universitário, o jovem está bastante acostumado à rotina de, a cada verão, hospedar por seis semanas na villa da família um novo escritor. Quando o escritor daquele verão chega, o jovem Oliver, Elio imediatamente se encanta pelo americano de vinte e quatro anos. Da antipatia impaciente que parece atravessar o convívio inicial dos dois surge uma paixão que só aumenta à medida que o instável e desconhecido terreno que os separa vai sendo vencido. Uma experiência inesquecível, que os marcará para o resto da vida”.

Vermelho, Branco e Sangue Azul (Casey McQuiston): outro livro de romance LGBT muito comentado em 2020, Vermelho, Branco e Sangue Azul é um daqueles livros leves, previsíveis e muito divertidos de se ler. 

‘Quando sua mãe foi eleita presidenta dos Estados Unidos, Alex Claremont-Diaz se tornou o novo queridinho da mídia norte-americana. Bonito, carismático e com personalidade forte, Alex tem tudo para seguir os passos de seus pais e conquistar uma carreira na política, como tanto deseja. Mas quando sua família é convidada para o casamento real do príncipe britânico Philip, Alex tem que encarar o seu primeiro desafio diplomático: lidar com Henry, irmão mais novo de Philip, o príncipe mais adorado do mundo, com quem ele é constantemente comparado ― e que ele não suporta. Mas será que tamanho ranço não esconde um sentimento disfarçado?”

Vingança, Sorvete e nós duas (Rebecca Jorge): sabe aquela história de que os opostos se atraem? Pois bem, Bianca e Karen são a prova viva disso nesse livro de romance LGBT delicioso!

“Enquanto Bianca é viciada em doces, extrovertida e ama estar na moda, Karen usa sempre cores neutras, vive com seu fone de ouvido e prefere o café amargo. Apesar de se conhecerem a vida toda, as duas nunca se deram bem e tudo poderia ser ainda mais desastroso, se elas não houvessem optado por uma alternativa bem mais divertida do que brigar entre si. Bianca e Karen decidem se unir, mesmo com todas as suas desavenças, em busca de vingança contra Caleb e acabam descobrindo que, no fundo, aquela história que opostos se atraem é verídica.”

Bônus: outros livros que você talvez queira dar uma olhada

15 dias (Vitor Martins)

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo

Will & Will (John Green e David Levithan)

Querido Ex (Juan Julian)

Gostou da lista? Espero que sim. Se tiver mais algum livro de romance LGBT para recomendar, deixe nos comentários! E ah, não se esqueça de seguir o Plugar Ideias no Instagram.

Deixe uma resposta