O que é neuromarketing e como aplicá-lo às suas estratégias de marketing

O que é neuromarketing e como aplicá-lo às suas estratégias de marketing?

Já ouviu falar em neuromarketing? Ao longo do tempo, o marketing foi evoluindo e deixando de focar no produto para focar no cliente. Fazendo isso, o sucesso do produto acaba sendo uma consequência natural. Quanto mais complexa e tecnológica se torna nossa sociedade, mais detalhado é esse trabalho de focar nas pessoas e em suas reais necessidades.

Pensando nisso, o marketing acabou descobrindo que se aliar à neurociência poderia ser uma excelente opção para, de fato, entender como pensa o consumidor moderno e como atingi-lo. Surge aí um conceito novo e que vem ganhando cada vez mais destaque: o neuromarketing. 

Mas o que é neuromarketing, como ele é aplicado e quais são seus objetivos? Essas respostas você vai descobrir a seguir.

O que é neuromarketing?

Como o próprio termo já sugere, neuromarketing é a área do marketing que usa conceitos da neurociência para entender melhor o comportamento do consumidor moderno e, dessa maneira, traçar estratégias mais assertivas visando atingi-lo.

O neuromarketing ganhou projeção mundial através da obra do professor e pesquisador de Harvard Gerald Zaltman. No começo da década de 90, Zaltman se dedicou a estudar como os conceitos da neurociência poderiam ser aproveitados pelo marketing. Sua teoria mais famosa é a Zaltman Metaphor Elicitation Technique (ZMET), uma técnica que usa imagens para causar emoções no consumidor e, à partir da análise dessas emoções, determinar o que é mais eficiente para estimular o consumo.

Na época, o termo neuromarketing ainda não era usado. Esse termo veio a aparecer oficialmente apenas em 2002, criado pelo professor Ale Smidts, da Erasmus University, do Reino Unido. 

O primeiro grande estudo envolvendo neuromarketing foi conduzido a pedido da Coca-Cola, em 1991. Na época, a empresa americana usou o método ZMET para analisar os efeitos das peças publicitárias da marca na mente dos consumidores. O objetivo do estudo era entender como as campanhas impactavam o público e quais tipos de apelo mais surtiam efeito emocional no consumidor. Parece filme de ficção, não parece?

O neuromarketing usa ferramentas da neurociência para entender o comportamento cerebral dos consumidores e, dessa maneira, aperfeiçoar estratégias.
O neuromarketing usa ferramentas da neurociência para entender o comportamento cerebral dos consumidores e, dessa maneira, aperfeiçoar estratégias.

Quais as ferramentas do neuromarketing?

A ciência é o grande pilar do neuromarketing. Estudos envolvendo a área geralmente são feitos em laboratórios e conduzidos por cientistas especializados em neurociência. Para entender a mente dos consumidores, podem ser usados aparelhos de última geração, como modernos tomógrafos, além de testes de ressonância magnética.

O objetivo é que o aparelho mapeie o comportamento cerebral das pessoas analisadas enquanto elas recebem determinados tipos de estímulos. Também podem ser analisados outros comportamentos, como a dilatação das pupilas e reações corporais involuntárias.

O neuromarketing é capaz de mostrar, por exemplo, se uma peça publicitária força a pessoa a pensar mais antes de entender a mensagem ou se ela é entendida facilmente e de maneira mais instintiva.

Apesar de fascinante, o neuromarketing também é um tanto quanto invasivo e gera polêmicas acaloradas até hoje. Há os que defendem o uso da neurociência para aprimorar o marketing e há os que achem que expor pessoas a esses tipos de testes científicos é ir longe demais.

O Brasil está desenvolvendo rapidamente o neuromarketing. Nosso país já possui até um Instituto Brasileiro de Neuromarketing (IBN), instituição voltada a desmistificação do neuromarketing e ao fomento da pesquisa científica dentro das universidades visando estudar o comportamento do consumidor. O Instituto oferece workshops e palestras sobre neuromarketing.

Como podemos aplicar a neurociência ao marketing?

Estudos envolvendo neuromarketing são muito particulares de cada empresa. Mas já lições gerais que podemos aprender com os conceitos básicos da neurociência e que podem ser aplicadas às estratégias de marketing. Confira quais são:

1 – Apele para a emoção: a neurociência já provou que apelar para a emoção do consumidor é muito eficiente. Quais emoções devem ser o foco da campanha? Isso você descobrirá analisando o seu público-alvo;

2 – Prefira mensagens simples: embora a vontade de criar campanhas complexas seja grande, a neurociência mostra que nosso cérebro responde muito melhor a informações simples e de fácil assimilação. O segredo – nada fácil – para uma campanha bem sucedida é criar uma mensagem simples sem ser simplista;

3 – Resolva um problema: ao invés de apenas vender, sua campanha será mais bem sucedida se ela deixar claro que na verdade está tentando resolver um problema do consumidor. Aliar essa vontade de ajudar a uma mensagem simples e doses certas de apelo a emoção criam a campanha ideal;

4 – Cause efeito: para que uma campanha ecoe por mais tempo na mente do consumidor, uma técnica muito usada é encerrar a campanha causando efeito. Esse efeito pode ser conseguido com um copywriting arrebatador, uma trilha sonora diferenciada ou a conclusão da história que está sendo contada. O importante é sempre pensar suas campanhas com começo, meio e fim – e esse fim é sua chance de deixar uma boa impressão.

Onde aprender mais sobre Neuromarketing?

A melhor maneira de aprender sobre neuromarketing é lendo. A seguir, confira quatro dicas de leitura sobre o assunto:

Neuromarketing: como a neurociência aliada ao design pode aumentar o engajamento e a influência sobre os consumidores (Darren Bridger e Afonso Celso da Cunha Serra)

Neuromarketing Aplicado à Redação Publicitária: Descubra como atingir o subconsciente de seu consumidor (Lilian S. Gonçalves)

Brainfluence: 100 Ways to Persuade and Convince Consumers with Neuromarketing (Roger Dooley)

Neuromarketing: Understanding the Buy Buttons in Your Customer’s Brain (Patrick Renvoise e Christophe Morin)

Boa leitura e bons estudos!

Deixe uma resposta