Descubra quais foram os app mais baixados do mundo em 2020 e quais foram os mais rentáveis

Saiba quais foram os aplicativos mais baixados do mundo no primeiro semestre de 2020

Um relatório divulgado pela consultoria americana Sensor Tower mostrou que o mundo nunca baixou tantos apps quanto nesse primeiro semestre de 2020. Em partes devido à pandemia e ao isolamento social, o mercado de aplicativos de celular bateu recorde de rendimentos, superando a casa dos R$50 bilhões de dólares no primeiro semestre de 2020.

No ranking geral, que leva em consideração Android e IOS, Tinder, Youtube e TikTok foram os três apps mais rentáveis de 2020 (até agora). A seguir, você confere os pontos mais interessantes do relatório da Sensor Tower.

Isolamento social + apps: uma combinação que deu certo

O mercado de aplicativos já tinha apresentado crescimento recorde se compararmos o primeiro semestre de 2018 com o mesmo período de 2019. Nesse recorte, o número de downloads cresceu cerca de 20% a nível global. O relatório da Sensor Tower mostrou que, na comparação entre 2019 e 2020, esse crescimento foi ainda mais expressivo: 23,4%.

Os especialistas da consultoria atribuem esse aumento de mais de 3% às consequências do isolamento social. De fato, o Tinder (aplicativo de relacionamentos) ter sido o aplicativo mais rentável neste primeiro semestre reforça essa visão.

Dos downloads realizados no mundo, 53,2 bilhões foram feitos no Google Play Store e 18,3 bilhões foram realizados na Apple Store. No total, foram feitos 71,5 bilhões de downloads de apps no primeiro semestre de 2020. 

Uma questão interessante a ser analisada é que, embora o Google Play Store domine o mercado de downloads de apps, quando consideramos a receita gerada, a Apple Store se sai muito melhor. O Google Play gerou R$ 17,3 bilhões de dólares de receita enquanto a Apple Store arrecadou R$32,8 bilhões de dólares.

A explicação para isso é simples: no Google são baixados mais apps gratuitos, enquanto na Apple Store são baixados mais apps pagos.

Os aplicativos mais rentáveis do mundo em 2020… até agora

O top 10 de aplicativos mais rentáveis do mundo em 2020 (considerando Google Play e Apple Store) é um recorte social do momento delicado pelo qual o mundo está passando. Nele, vemos que metade da lista é formada por aplicativos de streaming de vídeo ou apps de relacionamentos. Vamos ao top 10:

Saiba quais foram os aplicativos mais baixados do mundo e os mais rentáveis no primeiro semestre de 2020
O Tinder, o Youtube e o TikTok foram os aplicativos mais lucrativos de 2020 até agora.

O Tinder, no topo do ranking geral, registrou arrecadação de R$433 milhões de dólares no período. O YouTube, que aparece na segunda posição, arrecadou R$431 milhões de dólares e o TikTok – um dos maiores fenômenos culturais do ano – arrecadou R$ 421 milhões de dólares no primeiro semestre de 2020.

Os aplicativos mais baixados de 2020… até agora

Além de apresentar os apps mais rentáveis do mundo em 2020, o relatório da Sensor Tower trouxe ainda os aplicativos mais baixados do mundo nesse primeiro semestre de 2020. 

Sem surpresas, o TikTok lidera a lista com 626 milhões de downloads no período. Em segundo lugar aparece o WhatsApp e em terceiro o aplicativo de videochamadas Zoom. Confira o top 10 de aplicativos mais baixados do mundo em 2020:

O TikTok, o WhatsApp e o Zoom foram os aplicativos mais baixados de 2020 até agora.
O TikTok, o WhatsApp e o Zoom foram os aplicativos mais baixados de 2020 até agora.

O relatório completo da Sensor Tower traz ainda alguns insights interessantes sobre o mercado global de apps de jogos. Caso tenha interesse, você pode acessá-lo aqui.

E aí, quantos dos aplicativos mais populares do mundo você tem instalados no seu celular? Será que o cenário do segundo semestre será semelhante ao do primeiro, mesmo com as medidas de afrouxamento do isolamento social? Resta esperar para ver.

Siga o Plugar Ideias no Instagram. Lá você confere dicas e informações diárias sobre marketing e criatividade. 

Um comentário sobre “Saiba quais foram os aplicativos mais baixados do mundo no primeiro semestre de 2020

Deixe uma resposta